sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Parabéns a você?

Foi o meu primeiro aniversário no Rio de Janeiro. Eu eu tinha certeza que isso não daria certo. E ainda assim insisti. Por que? Porque sou uma burra em acreditar que o mundo e as pessoas podem serem legais e bacana comigo. Mas que motivos elas teriam para tal? Enfim, eu me diverti. Foi um aniversário diferente. Talvez tenha se refletido em toda minha vida diferente nos ultimos 10 meses. Tiveream depoimentos e recados previsiveis no orkut, twitter, msn, skype. Toda aquela coisa supeferficial e automatica. Alguns me tocaram mais, outros nem tanto. Passou. E eu não falei mais sobre isso, e ninguém mais falou sobre isso.E exatamente uma semana depois chega o inesperado. Um link por depoimento no orkut. E eu cliquei meio automatico, meio de má vontade... Eu não queria nada de ninguém do Rio. Afinal ninguém quis passar um dia imporante ao meu lado. Talvez alguns tiveram seus motivos coerentes ou não... Talvez alguns tiveram problemas ou não. Mas o que de fato passa(va) em meu coração era um decepção grande com tudo e todos. Eu acho(va) que eram meus amigos, e talvez nem eram(são). Sentimentos desencontrados passam por mim constantemente sobre tudo e todos. Mas eu abri o link. E comecei a ler o post ainda que de má vontade. Só que a autora do post foi covarde o suficiente de começar com Clarisse Lispector, e bom, mesmo sem saber a autora, é claro que o texto chamou minha atenção e logo me envolveu. Quando me dei por conta lágrimas escorriam em minha face. Eu sentia em meu coração aquela tristeza, aquela magoa, aquele arrependimento, aquela raiva, aquela saudade, aquela felicidade, aquela (in)certeza. Eu sentia tudo incoerente e efemero. Eu sentia tudo aquilo que eu não consigo explicar pra niguém, nem pra mim mesma, nem tão pouco conseguirei colocar em palavras. Espero que a autora do texto não se incomode, mas eu colarei ele aqui. Não darei o link que foi postado, porque a intenção é que ninguém conheça. Segue o unico texto de 'feliz aniversario' em 2010 que fez com que tal emoção não coubesse mais dentro do peito e transbordasse pelos olhos.

Um simples Feliz Aniversário.
Publicado em Dezembro 17, 2010 por make sure just to forget
“Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-la.
Sonhe com aquilo que você quiser. Seja o que você quer ser, porque você possui apenas uma vida e nela só se tem uma chance de fazer aquilo que se quer.
Tenha felicidade bastante para fazê-la doce. Dificuldades para fazê-la forte. Tristeza para fazê-la humana. E esperança suficiente para fazê-la feliz.
As pessoas mais felizes não têm as melhores coisas. Elas sabem fazer o melhor
das oportunidades que aparecem em seus caminhos.
A felicidade aparece para aqueles que choram. Para aqueles que se machucam. Para aqueles que buscam e tentam sempre. E para aqueles que reconhecem a importância das pessoas que passam por suas vidas.
O futuro mais brilhante é baseado num passado intensamente vivido. Você só terá sucesso na vida quando perdoar os erros e as decepções do passado.
A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar duram uma eternidade. A vida não é de se brincar porque um belo dia se morre.” Clarice Lispector.



Então hoje é o dia de uma pessoa que eu posso dizer especial para mim.
Provavelmente ela não deve estar gostando deste dia. Provavelmente ela não esteja feliz com muita coisa. Provavelmente eu não entenda e nem consiga imaginar todas as coisas que passam pela cabeça dela. Mas com certeza ela já tem uma amiga “carioca”. Com certeza ela sabe que eu estarei aqui sempre que ela precisar. Com certeza ela talvez não leia esse texto.
Dia 17 de dezembro de 2010. 19 anos. Tudo que eu mais desejo para ela são momentos. Momentos de alegria, de tristeza, de erros, de acertos, de vitória, de perca. É preciso disso tudo para que possamos viver uma vida perfeita. E quem disse que para uma vida ser perfeita ela não tem que ter falhas?
Mariana Dias, simples. Sei que não sou a melhor amiga do mundo e que não sou nem um partícula das pessoas que ela desejaria estar ao lado, mas também sei que esses nem outros motivos irão me fazer desistir da nossa amizade sincera. Eu diria que sinceridade é a melhor qualidade dessa paulista que me ensinou muita coisa. Entretanto, para que esta qualidade seja vista, as pessoas precisam olhá-la sutilmente, pacientemente.
Eu nunca vi pessoa tão forte, tão certa de si. Com certeza ela vai ser uma das melhores jornalistas que eu verei. (mas ainda acho que ela vai seguir para a área acadêmica kkk )
Hoje eu não preciso desejar a ela toda sorte e sucesso do mundo. Eu sei que ela vai ter isso e também sei que ela vai chegar onde ela quer. Até porque mariidiias e dedicada são sinônimos – ou pelo menos deveriam ser. Hoje eu sei que eu não poderia ter escolhido uma amiga de quarto melhor, que eu não poderia ter feito uma amizade melhor.
Minha querida linda amiga, hoje é seu aniversário e infelizmente não posso estar ao seu lado. Sabe-se lá se o post automático do wordpress funciona e se irá postar isto na data certa. Hoje é seu aniversário e quem ganhou o presente foi eu. Uma amizade que eu sei que pode durar, porque ela depende de mim e de você. Te amo muito, Feliz Aniversário. <3

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

E se passaram 10 meses...

Dez meses depois eu entendo o verdadeiro sentido de duas palavras que são bases para minha vida.
Saudade. Você só aprende o verdadeiro significado de tal sentimento depois que percebe que sua vida toda fará parte dele, que todas suas melhores lembranças estão longe. Eu só aprendi o verdadeiro significado depois que consegui conversar com meu coração e entrar em um acordo racional com ele. Então eu tive plena convicção que a saudade nunca mais sairia de meu peito. Tem dias em que ela grita, e faz com que seu esterismo transborde pelos olhos. Tem dias em que ela faz um buraco tão grande no coração que parece que ele vai parar de bater. As vezes a saudade me mostra uma música, as vezes ela me mostra um recado, as vezes ela me mostra uma foto, as vezes ela me mostra uma lembrança. E eu sempre presto muito atenção em tudo que a saudade me mostra. A saudade me faz bem. E eu sei que vai ser sempre assim, e eu não quero que mude. Eu desesperadamente preciso que a saudade continue me sufocando e fazendo com que meu coração quase pare de bater. Só com esse sentimento eu poderei me lembrar todos os dias, todas as horas, todos os minutos, todos os segundos que valeu a pena. Só essa saudade vai poder gritar que existem pessoas que valem a pena, que estarão sempre em meu coração através dela, da Saudade.
Efêmeridade. Tudo passa diante dos meus olhos e corre em minha frente, entretanto é impossível pegar e guardar comigo qualquer que seja. Todo mundo que passa deixa sua marca, deixa sua lembrança. As vezes corre um pouquinho e aparece de novo. As vezes aparece depois de muito tempo e percebe que não deveria ter ido. Alguns ficam mais tempo, outros passam e você nem percebe. O que importa na verdade não é o tempo e sim a intensidade. Intensidade que faz com que se torne inesquecível ou não. A efêmeridade me ensinou que o tempo não é tão poderoso quanto eu acreditava que era. Ela me ensinou que quem tem poder aqui é a intensidade. Porque tempo não diz o que vai virar saudades. A efêmeridade me ensinou que a vida é linda quando não se acredita fielmente em tudo. Ela me mostrou que tudo faz parte dela, que tudo é efêmero. Por isso nada é totalmente certo, ou totalmente errado.

E depois de conviver bem de perto com a saudade e com a efêmeridade, eu aprendi que ambas andam juntas. E que são boas para mim. Tudo é efêmero, por isso tudo também é saudade. E para que o tempo? Viver a vida não é contar quantas velinhas você está apagando. Viver a vida é contar quantas coisas foram efêmeras e se tornaram saudades. Essas sim valem a pena!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Trabalhos, Trabalhos, Trabalhos

É fim de período, e pior, é fim de ano! Mas eu tinha uma reportagem sobre "A Cultura de Festas na Rural" Incrivelmente eu fiz com calma, sem estar em cima da hora. Até porque vale 4 em P2. E diremos que são 4 pontos importantissimos pra quem não quer fazer optativa semana que vem! Enfim, eu me envolvi com a disciplina como deveria ter feito o periodo toda. Achei que o trabalho ficou razoavel. Mas o mais importante, eu me diverti muito trabalhando nele! Acho que é um bom sinal, afinal de contas isso é tudo que eu farei pelo resto de minha vida certo? Bom, ai está o resultado, espero que vocês se divirtam tanto quanto eu. Beijos!

Vida universitária é muito mais do que estudos.


Longe de casa, perto das Festas

Estudantes da Universidade Rural do Rio nos contam sobre as festas onde “tudo pode.”

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) é tradicionalmente conhecida por estabelecer bases no ensino agropecuário no país. Esse ano a UFRRJ completou o seu centésimo aniversário e vem se desenvolvendo com grande investimento federal e implantação de novos cursos. Uma faculdade aparentemente comum e tradicional. Dentro do Estado a realidade é outra. Quase todo carioca sabe que a tradição da “Rural” (como é popularmente conhecida) são as festas.
A Universidade fica localizada na cidade de Seropédica, no interior do Estado. A aproximadamente 70km do centro da capital, o que corresponde a um trajeto sem engarrafamento de em média 1h15min de carro. Essa enorme distancia, e a dificuldade de chegar até a cidade faz com que a maioria dos alunos se instale em Seropédica e permaneça lá a semana toda. De acordo com os alunos esse é o principal motivo de tantas festas. “A cidade é pequena e tem pouca coisa para fazer. Ficamos aqui a semana toda estudando, longe dos pais e sem ninguém por perto que nos impeça de fazer alguma coisa. As festas é o jeito que arrumamos de nos divertir!” – disse o Diego (eu preciso do sobre nome e idade), ex-estudante da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e estudante do primeiro período de Licenciatura em Ciências Agrícolas. A principal característica dessas festas é o “tudo pode” e o “acontece de tudo”. Por isso elas são tão tradicionais e tão conhecidas.
As festas mais esperadas pelos estudantes são: “Barrados no Baile”; “Troca-Troca”; “Festa a Fantasia”; “Chopada de Administração” e “Chopada de Economia”. Falaremos mais sobre a dinâmica dessas festas logo abaixo.


Estudantes se divertem em Festa a Fantasia no Clube Social em Seropédica. A festa aconteceu dia 24/11/2010 e foi a ultima do período. Foi marcada por muita animação, música boa e fantasias criativas.

Estudantes nas Festas

Festas acontecem na maioria das faculdades. Festas na Rural acontecem praticamente toda semana, tudo acontece nas festas, e de tudo acontece nas festas. Kilber Moreira, 19 anos, estudante do segundo período de Comunicação Social nos contou que não ir a uma festa considerada muito tradicional é sinônimo de chegar desatualizado no dia seguinte para as aulas. Segundo ele o único modo de conseguir saber o que aconteceu é ir sondando com um e outro. Tentando variar de curso para curso, porque a visão também muda.
Sabendo de tantas festas, a principal questão que é levantada é: “Mas e os estudos? Não atrapalha?” Segundo a estudante do terceiro período de Ciências Econômicas Tamyris Mendonça de 20 anos, não. “As festas são para nos distrair e não para nos atrapalhar, quando tem que ir para aula às 8h da manhã depois da festa, a gente acorda as 7h e vai!” – ela continua nos contando com mais detalhes sobre as festas.

A pré-festa e o pós-festa

Considerando que a maioria das festas que acontecem na Rural são temáticas, quisemos saber com os estudantes como é a preparação das festas e o que acontece no dia seguinte delas. A Tamyris Mendonça nos respondeu essas questões.

Os alunos comentam e a principal divulgação é o velho boca-a-boca.

“A preparação para a festa começa no momento em que vemos a faixa divulgando-a.” Os alunos comentam e a principal divulgação é o velho boca-a-boca. “No dia da festa, é a única coisa que se comenta. A gente combina em casa que vai todo mundo se encontrar, o que cada um vai levar, e tem sempre aquela amiga que vai te emprestar uma roupa...” A estudante nos contou que a festa começa bem antes do horário, geralmente na casa de alguém. “São os esquentas”. É uma espécie de pré-festa, todo mundo se arruma junto, bebe alguma coisa, faz um lanche. Só depois todos vão para a festa.

As festas têm muita musica, geralmente com dois ambientes. “Os estudantes vão para se divertir, ver gente bonita, conhecer novas pessoas, e depois de um tempo você até reencontra pessoas só em festas. A faculdade é muito grande, não é fácil encontrar com todo mundo toda hora!” – comenta a futura economista.


A estudante de economia em sua casa, se arrumando para a Festa a Fantasia, que aconteceu no ultimo dia 24.

No dia seguinte, aula as 8h da manhã. Tamyris nos contou que a turma dela, no geral, não costuma faltar por conta da festa do dia anterior. Segundo ela o rendimento não é mesmo, eles ficam desatentos, com sono, mas não é algo que chega a atrapalhar a nota no final do semestre. “As vezes, quando sabemos que não vai ter nada de muito importante a gente até acaba faltando, mas não acontece com freqüência” – confessa.

As Festas Tradicionais e as nem tanto

Fizemos um levantamento das principais festas que acontecem na Universidade durante todo o ano. No geral cada festa acontece duas vezes por ano. Existe muitas festas, seria um papel muito difícil listar todas aqui. Tentamos nos concentrar nas mais comentadas entre os estudantes.
• Chopadas – cada curso tem a sua, geralmente acontecem no inicio do período. É a recepção para os calouros. Qualquer um pode ir na Chopada, até mesmo aqueles que são de outro curso.
• Barrados no Baile – Os homens são barrados até as 0h. as mulheres entram as 22h e têm direito a bebida liberada e dançarinos (homens).
• Troca-Troca – onde os homens se vestem de mulher e as mulheres se vestem de homem. O papel na hora da conquista também fica invertido.
• Festa a Fantasia – todos vão fantasiados. Existe um concurso da fantasia mais sexy e da melhor.
• Festa Pijama – todos vão vestidos como se fossem dormir
• Festa Hot – acontece a mesma coisa que na Barrados no Baile, mas com homens os homens não são barrados as 22h.
• Embalo na Viola – festa caracterizada por tocar apenas ritmos sertanejos e com musica ao vivo.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Uma nova perspectiva sobre a Guerra Civil no Rio

video

Nunca Ignorar
Nunca se acomodar
Nunca Relaxar
Nunca Descansar
Nunca Desistir
Nunca se Intimidar
Nunca Fraquejar
Nunca Subestimar
Nunca Superestimar
Nunca Deixar Barato
Nunca Cochilar
Nunca Desligar

Ao acompanhar em diversas emissoras de televisão na última semana os acontecimentos do Rio de Janeiro consegui concluir algo muito diferente da maioria da população. Enquanto todos ficaram aterrorizados com os acontecimentos, eu fiquei fascinada com o trabalho de reportagem que interruptamente mostrava em tempo real os acontecimentos.
Meus olhos se enchiam e meu corpo ficava inquieto, eu não estava satisfeita ao ver as notícias chegando pela televisão. Eu queria desesperadamente estar lá, vestindo o colete a prova de balas e correndo atras dos carros de guerra. Eu queria passar a noite em claro vendo os onibus sendo queimados, entrando ao vivo com fogo atras. Eu queria amanhecer escrevendo a matéria da senhorinha que está assustada com os tiros na janela de sua casa.
E eu louca, fascinada o dia todo Globo, GloboNews, BandNews e derivados. E as pessoas olhavam para mim e perguntavam: "Você não cansa? Tá passando o dia todo a mesma coisa!" Mas jornalista não cansa, jornalista não desiste, jornalista não dorme, jornalista não pára...
E a cada nova notícia, cada novo acontecimento, cada nova explosão... Cada nova as minhas mão coçam, e meu corpo me impulsionam pára em um futuro próximo estar no meio desse mundo.
E essa paixão maluca e inexplicável me impulsiona para tudo isso.
É como Taciana Lobos me disse um dia: "Jornalismo é muito mais do que entrega, muito mais do que estilo de vida, muito mais do que simples paixão. Jornalismo é devoção." E faço dessas palavras as minhas palavras. Palavras de uma aspirante a jornalista, louca para estar no meio da guerra e mostrar para o resto do país o que está acontecendo.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

64 coisas idiotas que todo mundo faz/fez

1. Fingir que Tic Tac é cápsula de remédio.

2. Apostar corrida com o locutor da tele-sena no comercial falando os números sorteados
3. Desenhar um relógio no braço quando era criança.

4. Tampar o ralo do chão do banheiro pra fazer uma piscininha.
5. Comer Trident com papel porque "papel de Trident é comestível"
6. Fazer a proeza de enfiar o dedo no próprio olho sem querer
7. Ficar entortando aquele lápis verde, e quebrar.
8. Apostar corrida de gotas na janela do carro quando tá chovendo.
9. Sonhar que foi pra aula pelado, ou sem uma parte da roupa.
10. Apagar tudo que estava escrevendo, quando vê que a outra pessoa está digitando alguma coisa no MSN.
11 Tentar equilibrar o interruptor de luz no meio, entre aceso e apagado.
12 Tirar uma nota melhor que o Nerd da sala sem ter estudado.
13 Abrir uma nova guia na internet e esquecer o que ia fazer.
14 Fingir que está fumando aqueles palitinhos salgados "Stiksy" da Elma Chips.
15 Ficar mordendo o copo de plástico depois de beber o que tinha dentro, depois rasgar em várias tiras pra fazer um sol.
16 Deixar sempre o volume do rádio/tv em um número redondo ou múltiplo de 5.
17 Ficar com preguiça de colocar um rolo novo de papel higiênico no lugar e deixar ele solto na pia.
18 Ficar desconfortável quando está assistindo TV ou um filme com os pais e começa uma cena de sexo.
19 Falar mal de alguém para outra pessoa e descobrir que era um parente/amigo dela.
20 Responder algo para alguém que está na sua frente e descobrir que a pessoa não estava falando com você
21 Tirou o recheio de todas as Trakinas do pacote pra depois comer tudo de uma vez.
22 Esqueci o Twitter aberto por 15 minutos e quando voltei tinha 159 tweets pra ler.
23 Sentir a necessidade de apertar uma tecla sempre que passa perto de um teclado ou piano.
24 Sonhar que está tentando correr e mesmo assim se mover vagarosamente.
25 Desligar o plugin do MSN que mostra a música que você tá ouvindo para ouvir
musicas toscas escondido
26 Gritar "Aeeeee" quando a luz acaba
27 Quando era pequeno, fingir que estava dormindo quando chegava de carro em casa, pra ser levado no colo pra dentro.
28 Ficar falando coisas obscenas (ou gemendo hahha) quando um amigo está falando com os pais no telefone.
29 Abrir o freezer e ficar feliz ao ver o pote de sorvete, abrir e ver que é feijão congelado.
30 Colocar caixinha vazia de Chiclets Adams/Clorets no dedo indicador.
31 Na hora de digitar a senha errar uma letra e apagar tudo só pra ter certeza.
32 Escrever uma risada gigante no MSN mesmo sem estar rindo.
33 Dar umas 5 chineladas em uma aranha. Ela nunca morre na primeira, começa a se retorcer, e vc tem que acabar logo com o sofrimento.
34 Estar assistindo algo super legal na Tv, e mudar sem querer tentando aumentar o volume.
35 Ficar se coçando com uma caneta e só depois de um tempão ver que se riscou inteiro porque a ponta tava pra fora.
36 Já falei para a mãe do meu amigo, que estava sem fome, mas estava com muita fome.
37 Tentar cortar um pedaço de carne com uma faca ruim, quando finalmente consegue, o pedaço sai voando do prato junto com o arroz.
38 Achar que está ganhando de alguém no videogame até descobrir que a sua tela era a de baixo.
39 Se molhar inteiro quando tenta lavar uma colher.
40 Se olhar no espelho no final do dia/aula e perceber que ficou o dia inteiro com o cabelo zoado, ou com alguma coisa na cara.
41 Querer digitar "!!!!!!!" e aparecer um "1" no meio!!!!!1!!
42 Levar mais tempo procurando o controle remoto do que levaria para simplesmente levantar e ligar direto na TV.
43 Colocar o braço perto da TV só pra ver levantar os pelinhos do braço.
44 Tentar pegar uma coisa que está caindo e derrubar outra.
45 Trabalho= 1.Wikipedia.com. 2. Ctrl+C. 3.Ctrl+V. 4.Mudar palavras difíceis. 5. Título, Nome. 6. Data de uns dias atrás.
46 Quando a vida tá muito complicada querer voltar no tempo, quando as únicas preocupações eram ganhar Tazos e acompanhar Pokémon.

47 Quando era pequeno, acordar cedo, pegar um cobertor e ir para a sala assistir desenho
48 Ficar com raiva de si mesmo quando queima a língua.
49 Quando tem alguém concentrado contando alguma coisa, ficar falando números aleatórios, só pra confundir.
50 Quando pequeno, querer ter uma entrada para o quarto igual do Nino do Castelo Rá-Tim-Bum.
51 Achar que a prova/teste foi fácil... até receber a nota.
52 Ter vontade de engolir o Bubbaloo vermelho.
53 Roubar dinheiro no banco imobiliário.

54 Se sentir FODA quando abre o livro na exata página que o(A) professor(A) pediu
55 Colocar o celular no silencioso quando pedem pra desligar.
56 Contar quantas pessoas têm na sua frente pra saber qual questão você vai ter que responder pro(A) professor(A).
57 Zoar um professor substituto junto com a turma inteira.
58 Fazer uma lista mental de todas as cagadas que você fez nas últimas semanas, quando o pai/mãe fala:"Precisamos ter uma conversa".
59 Ficar na tensão quando alguém vem e fala: "Preciso falar com você.."
60 Gostar quando acontece uma cagada enorme mas no final tudo fica bem, e você ganha uma história boa pra contar pra todo mundo.
61 Ir dormir Domingo esperando a próxima Sexta-feira ou feriado.
62 Ficar muito feliz quando tem uma pergunta no teste, que dá a resposta para outra.
63 Derrubar gelo no chão e chutar pra de baixo da geladeira, pra não precisar pegar.
64 Antes de ir dormir, contar quantas horas vai ter de sono até ter que acordar.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Uma lista de coisas que você precisa saber antes de entrar na faculdade.



1.Não importa o quão tarde é a sua primeira aula, você vai dormir durante ela;
2.Você vai mudar completamente e nem vai notar;
3.Você pode amar várias pessoas de maneiras diferentes;
4.Alunos de faculdade também jogam aviões de papel durante as aulas;
5.Se você assistir às aulas calçado, todo mundo vai perguntar por que você foi tão chique para a faculdade;
6.Cada relógio no prédio mostra um horário diferente;
7.Se você era inteligente no colegial… azar o seu!
8.Não importa tudo o que você prometeu quando passou no vestibular, você vai às festas da faculdade, mesmo que sejam na noite anterior à prova final;
9.Você pode saber toda a matéria e ir mal na prova;
10.Você pode saber nada da matéria e tirar dez na prova;
11.Você tornará “expert” em colas;
12.A sua casa é um ótimo lugar para se visitar;
13.A maior parte da educação é adquirida fora das aulas;
14.Se você nunca bebeu, vai beber;
15.Se você nunca transou, vai transar;
16.Se você não fizer nada disto durante a faculdade, não fará nunca mais na vida, a não ser que você faça uma nova faculdade;
17.Você vai se tornar uma daquelas pessoas que seus pais falaram para você não se meter com elas;
18.Psicologia é, na verdade, biologia;
19.Biologia é, na verdade química.
20.Química é, na verdade física;
21Física é na verdade matemática;
22.Ou seja, que mesmo depois de estudar anos, você não vai saber nada;
23.Sentir, depressão, solidão e tristeza, não são frescuras de quem não tem o que fazer;
24.Você sempre vai prometer que no próximo semestre você vai estudar mais, festiar menos, mas sempre acontecerá o contrário;
25.As únicas coisas que compensam na faculdade são os amigos que você fará lá;
26.Não verá a hora de terminar a faculdade;
27.E quando terminar, perceberá que foi a melhor época de toda a sua vida.
Via Insoonia


Fonte: http://blog-cadernodoaluno.blogspot.com/

sábado, 30 de outubro de 2010

"Se nada der certo daqui um ano...



...pegamos as nossas mochilas e iremos para Europa. Como no plano de JK: 50 anos em 5.
Essa promessa foi feita há exatamente um ano atrás, num sala de plantão de duvidas num pré-vestibular em Campinas, SP. Hoje, a Eve veio me lembrar disso pelo msn. E eu me peguei lembrando de todo um ano, de todas as minhas duvidas e certezas. E como minha vida mudou de lá prá cá.
Éramos seis garotas, que se conheceram por obra do destino em uma fase da vida em comum. Passar pelo sonhado e temido vestibular. E foram quase 10 meses juntas. Só que quando a gente se deu conta, já estávamos muito ligadas. Quando a gente se deu conta a já dependiámos inteiramente uma da outra. E assim foram todas as noites de 19 as 23h. E depois todos os sábados de 9 as 17h. E as coisas pioraram, vieram os domingos os feriados. Ao olhar para trás eu vejo como minha vida mudou por causa delas. Como eu aprendi com elas, e como todas as minhas melhores lembranças estão sempre elas por perto. Tenho certeza que as seis tem plena consciência que só conseguimos porque estivemos juntas. Quando uma não queria mais caminhar, as outras seguravam em suas mãos e caminhavam lado a lado, até que ela pudesse novamente caminhar sozinha. Se não vocês eu não teria continuado. E são tantos momentos... aulas de história geral, literatura, redação, piadas toscas de geometria, coisas nojentas de biologia, risos, sorrisos, uno, comida, brincadeirinhas de criança, broncas, carinhos, cinemas, shopping, e até a inesquecível morte do Michael... Hoje cada um seguiu sua vida, as realidades voltaram a ser diferentes, as cidades ficam cada vez mais longe, as notícias vem num tempo muito longo e a saudade aumenta junto com o amor que tenho por vocês. E essa distancia chata, só me confirma uma coisa que eu já tinha certeza, essa amizade vai superar distancias, e com certeza não vai mudar por causa de alguns quilômetros de distancia!

Um ano depois dessa promessa maluca eu fico feliz, porque de certa forma as coisas deram certo para todas, afinal não precisaremos virar mochileiras. E hoje, todo aquele desespero e angustia pré-vestibular nos fazem rir, e mesmo sendo meio paradoxal, até nos tranquilizam.

Hoje eu deixo apenas meu obrigada. Mil vezes Obrigada. Eu não teria me tornado (ou me tornando) o que sou hoje por vocês.

'E que tal pegar a mochila e ir para Europa hoje em pensamentos, numa viagem juntas, pelo coração... Divirtam-se!









sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Resenhar

você já teve aula de Comunicação e Linguagem Científica? ou dependendo do curso Metodologia de Pesquisa, algum derivado? Você com certeza aprendeu a fazer resenha então. Mas a sua professora te passou o exercício chato de ter que fazer uma? Com certeza passou, mas não na semana que você tem provas e precisava estudar ao inves de ficar quebrando a cabeça numa resenha certo?
Tudo bem, eu até me diverti, afinal o tema foi livre e eu pude me deliciar com meu livro preferido: "A menina que roubava livros".
Como o trabalho ficou até mais ou menos e como eu gosto muito do livro, colocarei o resultado aqui. Indico o livros para quem ainda não leu, vale a pena!

Ai vai:


Markus Zusak é um jovem autor de 35 anos. Conhecido principalmente por seus livros infanto-juvenis. O marco de sua carreira aconteceu em 2006 com o lançamento de “A Menina que Roubava Livros.”
O autor australiano cresceu a ouvir seu pai contar histórias da Alemanha Nazista e conseguiu conciliar muito bem essas histórias a uma ideia que já tinha anteriormente, a de uma personagem roubadora de livros. "Nós temos essas imagens das marchas em fila de garotos e dos 'Heil Hitlers' e essa ideia de que todos na Alemanha estavam nisso juntos. Mas ainda havia crianças rebeldes e pessoas que não seguiam as regras e pessoas que esconderam judeus e outras pessoas em suas casas. Então eis outro lado da Alemanha Nazista", disse Zusak numa entrevista com o The Sydney Morning Herald.
Em seu livro, o autor australiano consegue fugir de toda uma estrutura padrão, começando pelo narrador da história: a morte. Poético, assustador, emocionante, sarcástico, inteligente, o texto é envolvente até a última página. Mostrando como as palavras podem mudar a vida das pessoas, mesmo em meio a situações adversas.
Liesel Meminger é a garota de quem a morte resolve contar a história. Em meio à guerra, com tantas mortes, a menina se encontra três vezes com a narradora do livro, e a passa por ela às três vezes.
Abandona pela mãe, viu seu irmão mais novo morrer no caminho de sua nova casa. No enterro de seu irmão, numa cidadezinha no meio do nada, o coveiro deixa cair o seu livro de bolso, O Manual do Coveiro. Foi o primeiro livro que Liesel roubou. Ela viveu os próximos quatro anos em uma cidade próxima de Munique com um pai acordeonista e uma mãe lavadeira rabugenta. Ai desenvolve-se toda a história. A menina aprende a ler com o Manual do Coveiro, brigou, sentiu raiva das palavras, mas se reconciliou com elas. As palavras a principio faziam com que ela se lembrasse de seu irmão, era sua última lembrança dele. Depois os livros se tornaram sua maior paixão, sua razão de viver. E foram as palavras que a salvaram.
Novas histórias vão se misturando com a Liesel no decorrer do livro. A de seu pai acordeonista, sobrevivente da Primeira Guerra. A de sua mãe, lavadeira rabugenta com um ótimo coração. A do garoto Rudy, seu melhor amigo e o amor de sua vida. A do judeu Max, que ousou a apagar as palavras de Adolf Hitler para escrever uma nova história à Liesel. A da mulher do prefeito, com sua enorme biblioteca e sua tristeza incompreensível.
Todo esse drama mostra ao leitor a Segunda Guerra sob uma nova perspectiva, onde alemães também são boas pessoas e lutam para sobreviver em meio a tantas dificuldades e inconstâncias. Toda a história remete a uma reflexão sobre o poder transformador das palavras. Todas as entre linhas dão a certeza de que a vida não é fácil, mas vale a pena ser vivida.
O livro foi um marco para literatura do mundo todo. Permaneceu durante 43 semanas na lista dos mais vendidos do New York Times. Hoje, o autor vive em Sydney, na Austrália.

beijos beijos beijos
que seja uma ótima semana, de provas.

domingo, 15 de agosto de 2010

Cade a Xuxa?


Minha gente, desde que o mundo é mundo, desde que o Criança Esperança existe, desde de que as coisas vivem no lugar a Xuxa aparece na ultima parte do show. E cade ela hoje?
Criança Esperança sem Xuxa é mesma coisa que ir ao Rio de Janeiro e não conhecer o Pão de Açucar. Criança Esperança sem Xuxa é mesma coisa que ir a Minas e não comer queijo. Dentre tantas outras comparações toscas que poderia ficar a noite toda aqui fazendo, Criança Esperança sem Xuxa não é Criança Esperaça. O mundo está de fato de cabeça para baixo. Não valeu a noite. Não valeu o show. A Xuxa não apareceu, nada mais faz sentido.
um beijo.

domingo, 9 de maio de 2010

não é reciproco.
portanto não pode realmente acontecer.






''eu acho que você pode ser o que você quiser'' (Stephanie Meyer - Crepusculo)

quinta-feira, 29 de abril de 2010

esperança

Quando não houver saída
Quando não houver mais solução
Ainda há de haver saída
Nenhuma ideia vale uma vida
Quando não houver esperança
Quando não restar nem ilusão
Ainda há de haver esperança
Em cada um de nós, algo de uma criança

Enquanto houver sol, enquanto houver sol
Ainda haverá
Enquanto houver sol, enquanto houver sol

Quando não houver caminho
Mesmo sem amor, sem direção
A sós ninguém está sozinho
É caminhando que se faz o caminho
Quando não houver desejo
Quando não restar nem mesmo dor
Ainda há de haver desejo
Em cada um de nós, aonde Deus colocou

Enquanto houver sol, enquanto houver sol
Ainda haverá
Enquanto houver sol, enquanto houver sol


Quando não houver mais luz no fim do tunel. Quando não houver mais saida. Quando não houver mais solução para o problema. Quando nada mais restar na vida. Olhe nos olhos de uma criança. Nela sempre haverá esperanças. Na simplicidade. Na ingenuidade. No otimismo. Em cada um de nós tem que haver um pouco de uma criança.
De risada sem motivo. Ande pulando pela rua. Brinque com uma borboleta. Se supreenda com um esquilo no parque. Fique trsite com uma criança na rua. Brinque, sorria, seja feliz feito uma criança! Nunca deixe de ter esperanças. Tudo na vida tem uma hora certa para acontecer. Mas sempre acontece.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

TudoTemUmTempo



2009 foi um ano intenso. intenso de amizades. intenso de estudos. intenso de algrias. intenso de tristezas. intenso de lembranças. intenso de saudades.
mas quanto estudo. acho que eu não tinha estudado tanto em toda minha vida. as vezes eu não tinhas forças nem para abrir a apostila a noite no cursinho. ainda bem que eu tive ao meu lado as melhores amigas, os prefessores mais animados e divertidos. ainda bem que elas me deram forças para continuar. para estudar muito, muito, muito.

o ano chegou ao fim, veio os vestibulares. o médio ficou pra tras. a escola. o cursinho tudo acabou. e nada daquela resposta sabe? as minhas amigas do cursinho, umas passaram na publica. outras começaram particular. e algumas estão sem fazer nada, sem rumo. o pessoal da escola também, cada um segiu seu caminho. cada foi cuidar de sua vida. e a minha respota boa, nada de chegar!



E dai, quando eu já tinha perdido todas as esperanças. Quando nada mais parecia fazer sentido. Veio a grande noticia. É minha gente, eu passei no vestibular!
Durante o ano passado todo eu disse que não importaria onde, não importaria se fosse em ultimo. O que realmente importaria é entrar. E bem, eu estou lá dentro da Federal Ruaral do Rio de Janeiro



Ah, a sensação de trabalho bem feito é indescritivel. A felicidade é do tamanho do mundo! E aquele friozinho na barriga quando se entra no campus pela primeira vez. E aquele medo delicioso! Ah meus queridos, eu agora sou uma universitaria. 8)

domingo, 11 de abril de 2010

LadoaLado

Você já pessou que a vida é como um espelho? Tudo, absolutamente tudo acontece aos pares.
Nosso corpo é exatamente dois. temos duas pernas, dois olhos, duas orelhas(...), temos uma boca só, mas ao pararmos para reparar ela pode ser dividida em exatamente duas partes iguais.
Os automaovies são feitos para dois. carros tem dois lugres na frente, motos tem espaço para duas pessoas, caminhões tem dois lugares, onibus são produzidos com poltronas duplas.
Temos sempre duas pessoas mais importantes em nossas vidas (seja elas pai e mãe, amigos e/ou amigas, namorado e primo), sempre há duas pessoas que vs vai contar seus segredos, são sempre duas melhores amigas.
o mundo é feiot aos pares, para se repoduzir é necessario dois pares de genes, as pessoas casa-se e vivem em duas pessoas.
e até o circulo que é a forma geometrica mais dificil de todas pode ser dividido exatamente em duas partes iguais
Dois é um numero exatemente perfeito



Viva em dois, faça tudo sempre duas vezes, aposte no dois. Não tenta viver uma vida sozinho, não tente fazer ter apenas um sonho, não tente dizer apenas uma coisa. Viva sempre com alguém ao seu lado. Tenha sempre um plano 'B' nos seus sonhos. Faça duas coisas ao mesmo tempo!
Seja Feliz, viva o dois!

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Sozinha

Eu sei, é irracional se lamentar quando a vida te oferece um sonho que vai muito além de suas expectativas. E entendam, eu não estou reclamando, eu estou realmente satisfeita com a minha vida. Não há o porque não estar, não é racional estar triste, não é racional sentir-se mal.
Mas, talvez seja racional querer chorar, talvez seja racional sentir-se sozinha, talvez seja racional pensar que está em um mundo que não é seu.
Quando a gente sonha com alguma realização importante, em nossos pensamentos sempre vemos o nosso sorriso, a nossa sensação de satisfação, e as pessoas que mais nos apoiaram ao nosso lado, rindo com a gente, aplaudindo nossa vitoria. Estar no Rio de Janeiro é como ter um grande sonho realizado, como sentir tudo aquilo que eu sempre quis, como viver tudo aquilo que todo mundo sempre sonhou, só que no meu caso eu não vejo as pessoas que me deram apoio ao meu lado, sorrindo comigo e com partilhando de minha vitoria.
É estar em meio a flores, sem sentir o perfume maravilhoso delas. É estar em meio a uma praia linda, sem sentir a brisa boa batendo no rosto. É estar com todo o dinheiro do mundo sem ter onde gasta-lo e mesmo assim vendo muito lugar que precisa dele. É como se faltasse um pedaço meu. E na verdade é claro que falta, um pedaço meu que ficou em Campinas, que se dividiu em vários pedacinhos, em vários corações, em vários lugares. Eu só não imaginei que esse pedaço que ficou lá faria tanta falta.
Aqui é como ter o mundo inteiro ao meu redor e isso não ser suficiente.



A vida sem amigos é como o céu sem estrelas
aah tão sabioo quem disse isso, e nem metade das pessoas consegue entender o poder que esse amigos tem em nossas vidas.
talvez nenhum de vocês entendam, talvez vocês achem que é exagero, talvez vocês tenham certeza que é uma fase de adaptação.
Mas eu tenho absoluta convicção que essa vazio não poderá ser preenchido por absolutamente ninguém além de MEUS AMIGOS. Eu tenho absoluta convicção que mesmo que eu conheça varias pessoas aqui, que eu faça amigos de verdade aqui, e até mesmo que eu me sinta mesnos sozinha, os melhores amigos que fiz na vida foram com os que eu vivi nos meus últimos 18 anos. E isso não vai mudar. Eu sinto falta da minha vida pacata em uma cidadezinha do interior Paulista.

terça-feira, 23 de março de 2010

Oi, hoje eu deixei meu celular em casa, pode me ligar amanha?


Um dia desses acordei bem cedo e quis sentir o sol fresco da manha em minha pele. Peguei até minha bicicleta e fui até a praia pedalar um pouco. Havia muitas pessoas caminhando, andando de bicicleta, levando o cachorro para passear, fazendo exerci os, dentre tantas outras coisas que cada um costuma fazer. Todos estavam lá, concentrados em seu mundo diário, em sua rotina. Passei a perceber os celures. Não marcas e modelos, mas quantidades. Eu digo com certeza que 90% (se não mais que isso) das pessoas que estavam lá tinham um celular. E eu comecei a me perguntar o porque as pessoas se tornaram tão dependentes de um aparelho que não existia a 50 anos atrás. Talvez o trabalho e a correria diária com certeza implique no uso de aparelhos que facilitam e diminuam esse tempo que se tornou tão escasso. Mas, se pensarmos por esse lado o celular deveria ser usado no serviço, e não em um momento de lazer. Ir a praia de manha caminhar ou fazer determinada atividade física implica em um momento de relaxamento, de esquecer dos problemas e deixar com que a brisa boa que vem do mar bata em seu rosto. É um momento único, que nos faz fugir do strees diário das grandes cidades. Porque então não se desprender por completo de tudo isso e 'esquecer' (de propósito) o celular em casa? Assim como passar uma tarde de domingo com seu filho em um zoológico ou em um parque. Você já se deparou com a cena do pai (ou mãe) resolvendo problemas do serviço num domingo a tarde dentro de um shopping? de parque? Enquanto o filho (que esperou por isso durante a semana toda) olha para ele desapontado pensado com certeza: 'Poxa meu pai nunca tem tempo pra mim! (nem no fim de semana!!)' Ah, é tão comum crianças sem 'pais' hoje em dia. E depois ainda culpamos a coitadas por trocarem as deliciosas 'brincadeiras de rua' pelo computador, pelo vídeo game. Os pais estõa trocando seus filhos pelo celular, oras!
Entendam que eu sou totalmente a favor do uso de novas tecnologias, e acho que com certeza elas vieram para facilitar a nossa vida. O que me deixa indignada é o uso dessas em excesso. O que me preocupa são as pessoas que se tornam escravas dessa modernidade. Toda a humanidade viveu sem celular durante mais de pelo menos 18 séculos. Ninguém vai morrer (ou perder o emprego) se deixa-lo em casa durante sua corrida na praia pela manhã, ou durante o seu domingo de lazer com seu filho!
CAMPANHA: grave sua secretaria eletronica no fim de semana e feriado: 'Olá, hoje eu esqueci meu celular em casa, preciso me divertir um pouco! Você pode me retornar a ligação na segunda-feira em horário comercial ou deixar sue recado após o pipi. Um beijo e aproveita e divirta-se também!!

domingo, 31 de janeiro de 2010

Tá vindo um carro-bomba na contramão

A Terra tá soterrada de violência
De guerra, de sofrimento, de desespero
A gente tá vendo tudo, tá vendo a gente
Tá vendo, no nosso espelho, na nossa frente
Tá vendo, na nossa frente, aberração
Tá vendo, tá sendo visto, querendo ou não
Tá vendo, no fim do túnel, escuridão
Tá vendo no fim do túnel escuridão
Tá vendo a nossa morte anunciada
Tá vendo a nossa vida valendo nada
Tô vendo, chovendo sangue no meu jardim
Tá lindo o sol caindo, que nem granada
Tá vindo um carro-bomba na contramão
Tá vindo um carro-bomba na contramão
Tá vindo um carro-bomba na contramão
Tá vindo o suicida na direção

"É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã
porque se você parar pra pensar a verdade não há"

A bomba tá explodindo na nossa mão
O medo tá estampado na nossa cara
O erro tá confirmado, tá tudo errado
O jogo dos sete erros, que nunca pára
7, 8, 9, 10... cem
Erros meus, erros seus e de Deus também
Estupidez, um erro simplório
A bola da vez, enterro, velório
Perda total, por todos os lados
Do banco do ônibus ao carro importado
Teu filho morreu? meu filho também
Morreu assaltando, morreu assaltado
Tristeza, saudade, por todos os lados
Tortura covarde, humilha e destrói
Eu vejo um Bin Laden em cada favela
Herói da miséria, vilão exemplar
Tortura covarde, por todos os lados
Tristeza, saudade, humilha e destrói
As balas invadem a minha janela
Eu tava dormindo, tentando sonhar

"É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã
porque se você parar pra pensar a verdade não há"

Sou um grão de areia no olho do furacão
Em meio a milhões de grãos
Cada um na sua busca, cada bússola num coração
Cada um lê de uma forma o mesmo ponto de interrogação
Nem sempre se pode ter fé
Quando o chão desaparece embaixo do seu pé
Acreditando na chance de ser feliz
Eterna cicatriz
Eterno aprendiz das escolhas que fiz
Sem amor, eu nada seria
Ainda que eu falasse a língua de todas as etnias
De todas as falanges, e facções
Ainda que eu gritasse o grito de todas as Legiões
Palavras repetidas
Mas quais são as palavras que eu mais quero repetir na Vida?
Felicidade, Paz, fé...
Felicidade, Paz, Sorte
Nem sempre se pode ter Fé, mas nem sempre
A fraqueza que se sente quer dizer que a gente não é forte.

Palavras Repetidas, Gabriel o Pensador.

o amor tudo supera, tudo suporta. e são tantos problemas no mundo, e são tantas contradições, tanto odeio, tanto desamor, tanta falta de fé... E a gente não sabe o que fazer pra melhorar tudo isso, e a gente desacredita que isso pode melhorar. E a gente se acomoda com esses problemas, e gente acaba achando tudo isso tão normal.
Mas, será que é mesmo normal morrer tantas crianças desidratas todos os dias no mundo todo? Será que é mesmo normal tantos jovens sem perspectiva de vida? Será que é mesmo normal tantas pessoas inocentes sendo mortas por balas perdidas? Será que é mesmo normal tantos sequestros, tantos assaltos, tanta violência? Será que é mesmo normal tantos desabrigados, tantos mendigos? A gente devia chorar toda vez que visse isso, devia se indignar e não aceitar. Mas... chorar resolve alguma coisa? Ahhhh, seria muito bom se resolvesse.
E tantos se questionam como mudar o mundo, como melhorar e/ou resolver tantos problemas tão sérios. E ninguém chega a uma conclusão...
É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar, na verdade não há

AME. Ame incondicionamente, ame sem olhar a quem. Ame, simplesmente ame. DOE-SE, de o melhor que você tem a quem não tem nada. Ensine o que você sabe de melhor a quem não sabe nada. Mesmo que o que você saiba de melhor seja dormir. Tem gente que não sabe o que é dormir, o que é descansar o corpo, o que é sonhar. SONHE, mas não se entregue aos sonhos, lute por eles... Maas, não deixe de amar. Ame, ame muito!

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Vamos a Brasilia?

Hoje muitos brasileiros saem em suas férias rumo a capital nacional. E para que? Parece óbvio, para fazer turismo. Será mesmo que é tão óbvio assim?
Há exatamente 26 anos atrás milhares de brasileiros saiam simultaneamente as ruas para lutar por um direito. Direito esse e hoje virou praticamente um dever, um martírio, uma obrigação. Há não mais que 26 anos brasileiros saiam as ruas para pedir votos diretos para a presidência da republica. Eleições, que hoje são pouco valorizadas, que caíram em uma rotina de conformismo entre toda a população.
E se todo mundo está insatisfeito, por que que ninguém faz nada? Por que que as pessoas deixam de ir a passeio para Brasília e passam ir a protesto? Por que os brasileiros não saem as ruas para reivindicar um presidente da camera colocando dinheiro (da própria populaçõa) nas meias.
Conformismo.
'Porque isso é normal' 'Porque todos os policos roubam' ' Porque não existe solução pra esse país'
Os jovens que nos anos 60 lutavam por seus direitos, discutiam politica e entendiam o mundo, hoje dizem que não há solução.
E os filhos desses revolucionários querem mais é terminar o Ensino Médio, trabalhar como pedreiros e curtir o show Emo do próximo fim de semana. E se a gente pergunta a eles qual foi o ultimo escândalo politico, eles nos respondem que não entendem nada de politica, que politica é chato, que tudo acaba em pizza. Onde foi parar a vitalidade do jovem de lutar e se indignar com o mundo? Acabou tudo no show de domingo, a maconha impediu de desenvolver um pensamento sobre isso.
Jovens não entendem nada de politica, e vão pra balada todo fim de semana exatamente porque o pai dele (que viveu na ditadura) não quer prender o filho, não quer mostrar para ele como foi sofrida essa época. E isso torna-se um enorme problema, esses jovens não sabem dar valor a liberdade, não se interessam pelo que esta acontecendo, acham que tudo sempre foi assim e sempre será.
As coisas estão mudando, há alguns dias foi aprovada a lei que dá liberdade ao governo vetar qualquer tipo de reportagem que aparece na televisão. Algum jovem esta preocupado com isso? Algum jovem enxerga o problema que isso pode causar? Algum jovem entende que o governo esta vetando a nossa liberdade de expressão? Não, ninguém entende, ninguém se importa! Talvez daqui há algum tempo, eles estão bloqueando conteúdos como esse na Internet também. E as pessoas vão continuar sem se importar. Quem lê esse tipo de conteudo? Menos de 1% da população?
Chega, é hora de ir a luta. Vamos a Brasília. Vamos lutar por nossos direitos, vamos questionar o governo, pressionar, ficar em cima. Vamos mostrar interesse por esse país. Vamos cuidar disso tudo que é tão rico, que é tão importante para nossa sobrevivencia! Que deixar o turismo em Brasília para os europeus? Que tal ir a Brasília e fazer o mundo rever um movimento da proporção que foi a Direstas Já? Que começar a se importar e entender o que acontece ao nosso redor?



Movimento Diretas já em 1984

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Olá;

Monossilobo, tão simples, tão rápido e pode até mudar um dia.
Se você entra em um lugar, sorri e fala oi; mesmo que você não conheça ninguém, mesmo que ninguém te conheça; as pessoas costumam responder um oi
Pode ser de mal gosto, pode ser feliz, pode ser simples e seco, pode chamar a atenção, pode mudar, pode mudar, pode mudar.
Um simples oi muda tudo.
Fale oi todos os dias, fale oi sempre!


Oi.